61
SNIRLit
 
 
 » Entrada > Unidade de Litoral (troço 35)
Ver no mapa:
Estações (0) Estruturas (0)
Praias (7) Batimetria
Unidade de Litoral Concelhos
Unidade de Litoral:  35 Ponta Piedade-Foz da Ribeira de Bensafrim (Lagos)
Última Data de Observação:  14/01/2003
Tipo de Sedimentos Emersos:  Areia média a fina
Tipo de Sedimentos Submersos:   -
Balanço Sedimentar:  Negativo
» Evolução   » Transporte Sedimentar   » Geomorfologia    
Nesta ULitoral, observa-se erosão e recuo da linha de costa em todo o litoral rochoso, mas também nas praias encastradas, existindo várias situações de risco eminente, face à intensa ocupação sobre arribas, em alguns sectores. Encontram-se em risco todas as áreas em que existe ocupação próxima ou sobre a arriba ou no sopé da mesma, incluindo locais sem ocupação permanente e sem edificações, mas onde existe veraneio intenso (ex. Ponta Piedade). Das zonas edificadas destaca-se todo o sector entre a Praia D. Ana e a Foz do Bensafrim, com especial referência para as edificações existentes nas zonas de acesso às praias. 
Este troço tem fornecimento sedimentar muito reduzido. As praias são essencialmente formadas por areias médias a finas, na sua parte emersa. O seu funcionamento é em sistemas fechados, com predomínio das variações transversais. A resultante anual da deriva litoral potencial é moderada a baixa, dirigida para norte. A deriva efectiva é reduzida a nula. O balanço sedimentar é negativo. A resposta do perfil de praia é sobretudo condicionada pela actuação de eventos extremos. Possuem morfodinâmica geral intermédia a reflectiva. 
Costa muito recortada, predominantemente constituída por zonas rochosas, com arribas activas, mas também possuindo locais de costa arenosa com praias encastradas nas enseadas existentes. A costa da Ponta da Piedade a Lagos possui orientação norte-sul, sendo a única do litoral sul algarvio com esta orientação. O recorte da costa rochosa é devido ao desmantelamento de algares, em vários dos quais é possível observar restos do preenchimento silto-argiloso. Este desmantelamento foi também responsável pela existência de numerosos escolhos e ilhotas. Os perfis das arribas revelam que a erosão marinha é intensa e superior à erosão sub-aérea, existindo sapas na base das arribas. As praias encastradas arenosas ocorrem de forma dispersa por todo o troço. A faixa arenosa é quase sempre relativamente estreita, podendo mesmo ser inexistente após a acção de tempestades ou em maré alta. nestas zonas, o areal confere protecção à arriba, relativamente à acção directa do mar. A faixa costeira é exclusivamente formada por arribas. A praia submersa é constituída por afloramentos rochosos com bolsas de areia e cascalho. 
Bibliografia:  
Alguns aspectos do clima de agitação marítima na costa sul do Algarve
Monografia de Meteorologia e Geofísica
1985

Aspectos geológicos do litoral algarvio
Geonovas, 10: 113-128.
1988

Erosão do litoral cenozóico do Algarve
Geolis, III(1/2):261-270.
1989

Evolução de arribas litorais no Miocénico algarvio e riscos geológicos associados
Actas 3ª Reunião do Quaternário Ibérico, p.531-541.
1993

Evolução de arribas litorais: importância de estudos quantitativos na previsão de riscos e ordenamento da faixa costeira
Colectânea de Ideias sobre a Zona Costeira de Portugal, 67-86p.
1997

Processos, mecanismos e taxas de evolução das arribas do Algarve
Comunicações do Seminário sobre a Zona Costeira do Algarve, pp.19-30
1997

Quelques problemes de morphologie littoral par les côtes de l'Algarve (Portugal du Sud)
Bull.Assoc.Géogr.Français, 352/353:22-36.
1967

Taxas de recuo das arribas do litoral sul do Algarve e sua importância na avaliação de riscos geológicos
Comunicações do seminário "A Zona Costeira e os Problemas Ambientais", p.100-108.
1991

 
© SNIRLit 2003-2017 | contacto: snirh@inag.pt | Visite também o SNIRH em http://snirh.pt
Navegação através de listagens Seleccione no mapa da esquerda Praias mapas Águas Costeiras e de Transição