41
SNIRLit
 
 
 » Entrada > Unidade de Litoral (troço 19)
Ver no mapa:
Estações (2) Estruturas (1)
Praias (6) Batimetria
Unidade de Litoral Concelhos
Unidade de Litoral:  19 Cabo da Roca-Cabo Raso
Última Data de Observação:  14/01/2003
Tipo de Sedimentos Emersos:  Areia grosseira a média
Tipo de Sedimentos Submersos:   -
Balanço Sedimentar:  Negativo a equilibrio
» Evolução   » Transporte Sedimentar   » Geomorfologia    
Nesta ULitoral, observa-se erosão e recuo da linha de costa no litoral rochoso, existindo reduzidas situações de risco (ex. Ponta da Galé), dada a escassa ocupação sobre arribas. 
As praias deste sector são essencialmente formadas por areias médias a grosseiras na sua parte emersa. A resultante anual da deriva litoral potencial é moderada a nula, dependendo da orientação da linha de costa. A inflexão de orientação induzida pelo Cabo da Roca altera os padrões de agitação e de refracção. Por outro lado, o promontório constitui abrigo natural à agitação de noroeste. Desta forma, há um abrandamento no transporte longilitoral. A orientação da parte sul do troço é praticamente paralela à crista das ondas incidentes mais frequentes, pelo que a resultante deverá ser pequena. A fonte sedimentar natural deste sector é o contributo dos cursos de água, sendo extremamente reduzida. O balanço sedimentar global do troço variará entre o negativo (a norte) e o equilíbrio (a sul), dependendo da orientação da linha de costa. O perfil de praia possui variação sazonal dominante e morfodinâmica geral intermédia. 
Costa rochosa, com arribas escarpadas e abruptas, com escolhos, a norte, transitando para costa alternância entre costa rochosa baixa e arenosa semi-encastrada a encastrada, na parte sul. O Cabo da Roca constitui relevo importante, sendo um promontório natural que induz uma inflexão na orientação da linha de costa, que posteriormente retoma a sua orientação geral grosso modo nordeste-sudoeste. A faixa arenosa é praticamente inexistente junto ao Cabo da Roca e à medida que se progride existem algumas praias arenosas associadas à foz de ribeiras e condicionadas por pequenos promontórios. A Praia do Guincho é a mais significativa, existindo aí desenvolvimento dunar apreciável, para o interior. A faixa costeira é maioritariamente formada por arribas e zona rochosa, com excepção do Guincho, onde há transição para dunas. A praia submersa é sobretudo constituída por afloramentos rochosos intercalados por bolsas de areia ou cascalho, com possibilidade de desenvolvimento de sistema barra-fossa junto à Praia do Guincho. 
Bibliografia:  
Analyse de la houle sur la côte portugaise entre Peniche et Lagoa de Albufeira par télédetection satellitaire
Gaia 9
1994

Dinâmica do sistema dunar do Guincho-Oitavo
Actas do V Congresso Nacional de Geologia (Resumos Alargados),Tomo 84, Fasc.1.
1998

Evolução de arribas litorais: importância de estudos quantitativos na previsão de riscos e ordenamento da faixa costeira
Colectânea de Ideias sobre a Zona Costeira de Portugal, 67-86p.
1997

Evolução recente das dunas do Guincho-Cresmina - Resultados preliminares
3º Simpósio sobre a Margem Continental Ibérica Atlântica, p. 147-148
2001

Monitorização da frente de avanço da duna de Cresmina
3º Simpósio sobre a Margem Continental Ibérica Atlântica, p. 133-134
2000

O regime aluvionar da costa portuguesa entre Peniche e a foz do Mira
Ingenium, 8: 4-18.
1987

 
© SNIRLit 2003-2017 | contacto: snirh@inag.pt | Visite também o SNIRH em http://snirh.pt
Navegação através de listagens Seleccione no mapa da esquerda Praias mapas Águas Costeiras e de Transição