39
SNIRLit
 
 
 » Entrada > Unidade de Litoral (troço 10)
Ver no mapa:
Estações (5) Estruturas (25)
Praias (14) Batimetria
Unidade de Litoral Concelhos
Unidade de Litoral:  10 Foz do Rio Mondego (N)-Praia Velha (São Pedro de Muel)
Última Data de Observação:  14/01/2003
Tipo de Sedimentos Emersos:  Areia grosseira a média
Tipo de Sedimentos Submersos:   -
Balanço Sedimentar:  Negativo
» Evolução   » Transporte Sedimentar   » Geomorfologia    
ULitoral com predomínio de áreas em erosão, com recuo importante (sobretudo na parte norte do sector) e existência de áreas pontualmente em acreção, na dependência da influência de estruturas de engenharia costeira, existindo risco em grande parte das zonas ocupadas, com especial relevância para Gala, Lavos, Leirosa, Pedrogão e Praia da Vieira. 
As praias deste sector são essencialmente formadas por areias médias a grosseiras na sua parte emersa. A resultante anual da deriva litoral potencial é muito elevada, dirigida para sul. As fontes sedimentares naturais deste sector são os rios (Mondego e Liz), sendo actualmente muito reduzido o seu contributo pela influência de barragens e pela regularização de cheias. Como forma de repor a deriva litoral, existe uma acentuada erosão costeira a sul da Foz do Mondego, com recuo significativo da linha de costa. A deriva litoral acaba por ficar saturada na parte central do troço considerado, deixando em consequência de haver erosão. Existem, no entanto, dois locais onde ocorre erosão por retenção da deriva por estruturas naturais (Pedrogão) ou artificiais (Vieira de Leiria). O balanço sedimentar global do troço é negativo, sendo necessário erosão costeira para saturar a deriva litoral. O perfil de praia possui variação sazonal dominante e morfodinâmica geral intermédia. 
Costa arenosa aberta e exposta, com praias arenosas extensas, com formas geralmente bem definidas, praticamente sem interrupções, com excepções nos seguintes locais: i) parte norte do troço (Foz do Mondego – Leirosa), onde se encontram algumas estruturas de engenharia costeira, condicionando o transporte longilitoral e conferindo aspecto irregular à linha de costa; ii) Pedrogão, por um pequeno promontório rochoso que induz perturbação no transporte longilitoral e ligeira inflexão na orientação da linha de costa; iii) Foz do Liz a Vieira de Leiria, por acção de estruturas de engenharia costeira. A largura das praias é relativamente elevada ao longo de todo o sector, com excepção da zona norte, imediatamente a sul da Foz do Mondego. A faixa costeira é formada por extensos corpos dunares. A transição da praia para a faixa costeira efectua-se por arriba talhada na duna, na zona imediatamente a sul da Figueira da Foz, de Pedrogão e de Vieira de Leiria, e por sucessão natural para antedunas e dunas, sem arriba, nas restantes partes do troço. A praia submersa apresenta pendor médio relativamente pequeno e sistema barra-fossa. 
Bibliografia:  
A problemática protecção/desenvolvimento do litoral entre Espinho e Nazaré
II Congresso de Áreas Protegidas, nº2, 10p.
1989

Alteração fisiográfica recente e situação actual das praias entre o Cabo Mondego e S. Pedro de Moel
II Congresso da Geografia Portuguesa, p.2-9
1994

Coastal Regime. Carriage of material by swell and currents. Model studies and in situ observations. Influence of port structures. Coastal defence works. Breakwaters
Memória nº 362
1970

Considerações sobre a evolução actual do litoral entre a Figueira da Foz e Nazaré
Colectânea de Ideias sobre a Zona Costeira de Portugal, p. 489 - 502
1995

Erosão costeira no litoral norte. Considerações sobre a sua génese e controlo
Actas do 1º Simpósio sobre a Protecção e Revalorização da Faixa Costeira do Minho ao Liz, p.201-220.
1990

Estudo da erosão litoral a Sul da embocadura do Rio Mondego

1978

Estudo preliminar da evolução da linha de costa adjacente à embocadura do estuário do Mondego entre 1801 e 1989. Estimação de taxas de acreção e erosão costeiras
Actas do III Congr. Geol. de España y VIII Congr. Latiniamericano de Geologia, 2:146-150.
1992

Evolução costeira devida a obras portuárias: casos da praia da Figueira da Foz e da embocadura da Ria de Aveiro
Actas do 1º Simpósio sobre a Protecção e Revalorização da Faixa Costeira do Minho ao Liz, p.164-177.
1990

Evolução da morfologia dunar entre o Rio Mondego e S. Pedro de Moel
Colectânea de Ideias sobre a Zona Costeira de Portugal, 503-524p.
1995

Evolução do sistema de dunas costeiras na zona de Leirosa, Portugal
3º Simpósio sobre a Margem Continental Ibérica Atlântica, p. 131-132
2000

Geochronology and recent geomorphological evolution of the Northwest coastal zone of Portugal
Partnership in Coastal Zone Management, p. 297-308
1996

Importância relativa das acções antrópicas e naturais no recuo da linha de costa a sul de Vagueira
Actas do 1º Simpósio sobre a Protecção e Revalorização da Faixa Costeira do Minho ao Liz, p. 157-163.
1990

Morfologia dunar entre o Rio Mondego e o Ribeiro de S. Pedro de Moel. Fixação e evolução actual
II Congresso de Geografia Portuguesa, Coimbra, 1995
1994

Morfologia e cronologia dos sistemas dunares da zona costeira noroeste de Portugal
Museu e Lab. Min. Geol., Univ. Porto, Memórias , 4:417-420.
1995

Proteger ou não proteger ou sobre a viabilidade de diferentes opções face à erosão da costa oeste portuguesa
Colectânea de Ideias sobre a Zona Costeira de Portugal, 205-228p.
1997

Sobre a evolução actual das dunas na área de S. Pedro de Moel (Distrito de Leiria)
Actas do V Colóquio Ibérico de Geografia, p. 883-893.
1986

Urban rexpansion in high risk northwest coastal areas of Portugal
Littoral' 94, Vol. II: 981-996
1994

 
© SNIRLit 2003-2017 | contacto: snirh@inag.pt | Visite também o SNIRH em http://snirh.pt
Navegação através de listagens Seleccione no mapa da esquerda Praias mapas Águas Costeiras e de Transição