16
SNIRLit
 
 
 » Entrada > Unidade de Litoral (troço 42)
Ver no mapa:
Estações (2) Estruturas (5)
Praias (25) Batimetria
Unidade de Litoral Concelhos
Unidade de Litoral:  42 Cabo Sta. Maria-Manta Rota
Última Data de Observação:  14/01/2003
Tipo de Sedimentos Emersos:  Areia média a fina
Tipo de Sedimentos Submersos:   Areia fina
Balanço Sedimentar:  Negativo
» Evolução   » Transporte Sedimentar   » Geomorfologia    
Nesta ULitoral, observa-se alternância entre zonas em erosão e áreas em acreção, havendo vários locais com galgamentos oceânicos frequentes. As situações de risco não são muito frequentes dada a relativamente escassa ocupação existente. Em alguns destes locais existiu realimentação artificial recente, como forma de minimizar a erosão costeira. Existem no entanto alguns locais em risco eminente (Farol, Fuseta e apoios de Praia de Cabanas) e outros em risco potencial (ex. Barril). 
As praias são sobretudo formadas por areias médias a finas, na sua parte emersa, e por areias finas na parte submersa. A resultante anual da deriva litoral potencial é moderada e dirigida para nascente. A fonte sedimentar natural predominante é a deriva litoral, ainda que no início do troço esta seja interrompida pela acção dos molhes do porto de Faro-Olhão. Recentemente, tem sido importante o contributo sedimentar de realimentações efectuadas no sistema (Armona, Tavira, Cabanas e Cacela). O balanço sedimentar global neste sector é negativo, o que se traduz em erosão costeira e recuo da linha de costa, como forma de tentar saturar a deriva litoral, existindo no entanto clara diferenciação entre locais em erosão e outros em acreção, dentro do troço. O funcionamento das praias é de costa aberta, com influência determinante dos processos longilitorais. O perfil de praia possui resposta sazonal dominante e morfodinâmica intermédia. 
Costa arenosa aberta e exposta, que forma a parte este do sistema de ilhas barreira da Ria Formosa, constituído por praias arenosas extensas, com formas geralmente bem definidas, pertencentes à Península de Cacela (limite este do sistema) e às ilhas da Culatra, Armona, Tavira e Cabanas. As praias são interrompidas pelas barras de maré da Armona, de Tavira (artificializada), da Fuzeta e do Lacém e por esporões existentes pontualmente (ex. a este das barras artificializadas de Faro-Olhão e Tavira). As praias possuem largura variável, sendo relativamente estreitas a nascente das estruturas portuárias e mais largas a poente, em relação com as acções de interferência no transporte longilitoral causadas pelas mesmas. A faixa costeira é exclusivamente formada por corpos dunares, que apresentam galgamentos frequentes em alguns locais (ex. Ilha da Culatra, Fuzeta e Península de Cacela). A praia submersa apresenta pendor intermédio, existindo frequentemente sistema de ridge and runnel na transição para a parte emersa. 
Bibliografia:  
Aeolian sand transport in Culatra barrier, Ria Formosa-Algarve
Littoral`94 Proceedings, p. 509 - 516
1994

Algarve Barrier Islands: A Noncoastal-Plain System in Portugal
Journal of Coastal Research, 5(2):239-261.
1989

Alguns aspectos do clima de agitação marítima na costa sul do Algarve
Monografia de Meteorologia e Geofísica
1985

An analysis of the vulnerability to overwash of the Ria Formosa barrier system(Portugal) using a simple multi-attribute rating tecnique smart
LITTORAL`98 Proceedings, p. 511 - 519
1998

Aplicabilidade de uma lista de controlo de vulnerabilidade dunar à Ria Formosa
Seminário sobre dunas da zona costeira de Portugal, p.213-224
1998

Apports de l'etude sedimentologique ala comprehension de l'evolution d'un systeme d'illes barrieres (Algarve, Sud Portugal)
Bull. Inst. Geol. Bassin d'Aquitaine, 44: 81-96.
1988

Aspectos geológicos do litoral algarvio
Geonovas, 10: 113-128.
1988

Dinâmica morfológica das praias das ilhas barreira da "Ria Formosa" (Algarve - Portugal)
Geolis, III(1/2):238-254.
1989

Dune vulnerability and manegement: Portugal and North West Europe
Littoral '94 Proceedings, II:837-848.
1994

Estudo da susceptibilidade ao galgamento da Ria Formosa
Geolis, IV(1/2):69-76.
1990

Estudo morfosedimentar da Península de Cacela
Tese de Mestrado, 231 pp.
2000

Integrated Dune/Beach Nourishment on Cacela Península, Portugal
Coastal Sediments'99, 3: 2165-2175
1999

Les Environments Sedimentaires de la Côte Sotavento (Algarve, Sud Portugal) et leur Évolution Holocéne et Actuelle
Thèse de Doctorat, 469 p.
1994

Modelação da dinâmica sedimentar induzida pela ondulação na plataforma continental portuguesa
Tese de Mestrado, 126 pp.
1993

Monitorização da alimentação artificial da Península de Cacela
Seminário sobre dragagens, dragados e ambientes costeiros, p. 47-56.
1998

Morfodinâmica das praias expostas:Aplicação ao sector costeiro Aveiro-Cabo Mondego
Tese de Doutoramento, 323 pp
1998

O ambiente de barreira da Ria Formosa (Algarve - Portugal)
Tese de doutoramento, 654 pp.
1990

O cordão litoral da Ria de Faro e a sua utilização para fins turísticos e balneares - contribuição para o estudo da evolução das flechas de areia na Costa Sotavento do Algarve
Boletim Trimestral de Informação, 14.
1967

Observações sobre a origem das areias das ilhas barreira da Ria Formosa
Textos das Comunicações do 4º Congresso sobre o Algarve, 1: 579-587.
1986

Quelques problemes de morphologie littoral par les côtes de l'Algarve (Portugal du Sud)
Bull.Assoc.Géogr.Français, 352/353:22-36.
1967

Ria de Faro, Ilha de Tavira. Evolução 1950-1985

1986

Sediment transport processes on reflective beaches:field experiments in Algarve
Tese de Doutoramento, 164 pp.
1999

Vulnerabilidade das dunas da Ria Formosa
9º Congresso do Algarve, p. 231-239
1997

Vulnerabilidade dos Corpos Dunares do Algarve
10º Congresso do Algarve, p. 477-490
1997

 
© SNIRLit 2003-2017 | contacto: snirh@inag.pt | Visite também o SNIRH em http://snirh.pt
Navegação através de listagens Seleccione no mapa da esquerda Praias mapas Águas Costeiras e de Transição