52
SNIRLit
 
 
 » Entrada > Unidade de Litoral (troço 29)
Ver no mapa:
Estações (1) Estruturas (3)
Praias (6) Batimetria
Unidade de Litoral Concelhos
Unidade de Litoral:  29 Pedra da Foz (V.N. Milfontes)-Cabo Sardão
Última Data de Observação:  14/01/2003
Tipo de Sedimentos Emersos:  Calhaus a areia fina
Tipo de Sedimentos Submersos:   -
Balanço Sedimentar:  Negativo
» Evolução   » Transporte Sedimentar   » Geomorfologia    
Nesta ULitoral, observa-se erosão e recuo da linha de costa no litoral rochoso, existindo escassas áreas de risco, por existirem poucas zonas de ocupação sobre arribas, limitando-se a situações pontuais (ex. Almograve). 
Este troço tem fornecimento sedimentar muito reduzido, restrito à contribuição do Rio Mira e das pequenas linhas de água afluentes ao litoral. As praias são essencialmente formadas por areias médias a finas, na sua parte emersa, podendo também existir praias formadas por calhaus. A resultante anual da deriva litoral potencial é elevada e dirigida para sul. Como o fornecimento sedimentar é relativamente reduzido, o balanço sedimentar é de forma geral negativo. A deriva efectiva é reduzida a nula. Existe erosão das arribas, por processos sobretudo marinhos, resultantes da actuação directa da onda, proporcionando a ocorrência de deslizamentos, desmoronamentos ou queda de blocos. As praias funcionam em sistema fechado, com trocas transversais importantes. O perfil de praia possui resposta sazonal dominante e morfodinâmica geral intermédia a dissipativa. 
Costa predominantemente constituída por zonas rochosas, com arriba activa e geralmente desprovida de praia arenosa, por vezes com plataformas de abrasão, e com frequentes escolhos. Existem também alguns locais de costa arenosa com praias encastradas, entre V. N. Milfontes e Almograve. O litoral arenoso está associado à foz do Rio Mira (Praia das Furnas) ou a pequenas linhas de água de regime torrencial, que terminam na arriba ou desenvolvem pequenos vales fluviais. Com excepção da Praia das Furnas, a faixa arenosa das restantes praias é quase sempre estreita, podendo mesmo ser inexistente após a acção de tempestades ou em maré alta. De Almograve ao Cabo Sardão não existem acumulações arenosas. As arribas acentuam a sua altura para sul e prolongam-se frequentemente pelo mar em fiadas de afloramentos com a direcção NW, correspondente à direcção das bancadas xistentas. A faixa costeira é formada por arribas, talhadas em formações com graus de consolidação médio a elevado e possuem, com frequência, no topo, formações dunares antigas. Apenas existe corpo dunar actual com alguma expressão na parte sul do estuário do Mira, junto à Praia das Furnas. A praia submersa é constituída por afloramentos rochosos com bolsas de areia e cascalho, existindo sistemas de ridge and runnel nas praias encastradas. 
Bibliografia:  
A Plataforma Litoral do Alentejo e Algarve Ocidental. Estudo de Geomorfologia
Tese de Doutoramento, 450 pp.
1990

Descrição da costa marítima comprehendida entre o cabo de S. Vicente e a foz do rio Douro
Rev. Obras Publicas e Minas, III (35/36):373-399.
1872

O litoral ao Norte do Cabo de S. Vicente
Notas Geomorfológicas, III-V:35-56.
1949

 
© SNIRLit 2003-2017 | contacto: snirh@inag.pt | Visite também o SNIRH em http://snirh.pt
Navegação através de listagens Seleccione no mapa da esquerda Praias mapas Águas Costeiras e de Transição