91
SNIRLit
 
 
 » Entrada > Unidade de Litoral (troço 23)
Ver no mapa:
Estações (8) Estruturas (6)
Praias (13) Batimetria
Unidade de Litoral Concelhos
Unidade de Litoral:  23 Cabo Espichel-Outão
Última Data de Observação:  14/01/2003
Tipo de Sedimentos Emersos:  Calhaus a areia fina
Tipo de Sedimentos Submersos:   -
Balanço Sedimentar:  Negativo
» Evolução   » Transporte Sedimentar   » Geomorfologia    
Nesta ULitoral, observa-se erosão e recuo da linha de costa em quase todo o litoral rochoso, não havendo no entanto recuo assinalável na parte arenosa. Existem poucas situações de risco, face à relativamente restrita ocupação na maior parte do troço. São apenas de assinalar ocupações esporádicas sobre as arribas e sobre a linha de costa (ex. Portinho da Arrábida), e ocupações de grande porte sobre a arriba (ex. Sesimbra). 
As praias deste sector são formadas, na sua parte emersa, por sedimentos com dimensão muito variável, desde calhaus a areias finas. A orientação da linha de costa e a protecção conferida pelo Cabo Espichel induzem forte alteração nos padrões de agitação e de refracção, relativamente aos restantes troços costeiros da costa oeste. A resultante anual da deriva litoral potencial deverá ser moderada e dirigida para este, enquanto que a deriva efectiva deverá ser praticamente nula a muito reduzida, funcionando as praias arenosas em sistemas praticamente fechados. As fontes sedimentares naturais deste sector são muito reduzidas, estando restritas ao contributo de pequenos cursos de água. O balanço sedimentar global do troço é negativo. A resposta do perfil de praia é sobretudo condicionada pela actuação de eventos extremos (tempestades com período de retorno elevado). Possuem morfodinâmica geral intermédia. 
Costa rochosa escarpada, com algumas praias arenosas, semi-encastradas a encastradas, sobretudo na parte este. Este troço é um dos poucos da costa oeste portuguesa com orientação geral este-oeste e não norte-sul. A linha de costa é, em geral, muito recortada, existindo grupos de pequenos afloramentos ou leixões. As praias encastradas existentes são relativamente pouco extensas e estreitas. A faixa costeira é maioritariamente formada por arribas ou rocha. A praia submersa é sobretudo constituída por afloramentos rochosos intercalados por bolsas de areia ou cascalho. 
Bibliografia:  
Aspectos do Relevo de Portugal. Litorais Ocidental e Meridional da Península de Setúbal
Finisterra, XXIII(46): 335-349.
1988

Dinâmica das Praias da Península de Setúbal (Portugal)
Tese de Mestrado, 190 pp.
1990

O regime aluvionar da costa portuguesa entre Peniche e a foz do Mira
Ingenium, 8: 4-18.
1987

 
© SNIRLit 2003-2017 | contacto: snirh@inag.pt | Visite também o SNIRH em http://snirh.pt
Navegação através de listagens Seleccione no mapa da esquerda Praias mapas Águas Costeiras e de Transição